MEMÓRIA DE ELEFANTE

Memoriaelefante

Acontece com a regularidade de um escândalo político. Estou eu tranqüilo, numa festa ou num bar, quando ouço aquela voz entusiasmada:

— Marcooooni!

Olho em sua direção, já relativamente pálido, e não reconheço o indivíduo que se aproxima, de braços levantados e sorriso nos lábios. E, o que é pior, não há espaço suficiente para eu me esconder dentro do copo de cerveja.

— Tá lembrado de mim?

A pergunta fica no ar, enquanto faço uma careta, pensando se finjo que estou tendo um derrame agora ou espero mais um pouco.

— Claaaaro, rapá! Como é que eu ia esquecer? E aí, tudo jóia? — minto, abraçando o sujeito, já mais entusiasmado que ele.
— Tudo, tudo beleza — responde o infeliz, emendando: — E aí, tem visto o pessoal?
— Claro, claro. O pessoal… Puxa!

Miro o infinito e balanço a cabeça, saudoso, como se estivesse rememorando dias felizes. Ficaria assim pelos próximos dois séculos, se ele não prosseguisse:

— Bons tempos… O Rogério é que tá bem, né? Tá lembrado dele?
— E eu ia me esquecer do Rogério!
— Pois ele casou, sabia?

No que me diz respeito, o Rogério poderia ter se tornado papa. Não tenho a mínima idéia de quem ele está falando.

— Papa? Digo… Casou?
— Com a Rebeca, lembra?
— A Rebeeeeca! Logo com a Rebeca! Que sorte, hein?
— Sorte? Ela com aqueles problemas todos?
— Que é isso! — digo, e parto inflamado para a defesa da desconhecida: — Só porque a moça é meio zarolha, rapá?
— Zarolha, a Rebeca?
— Desvio. Ela tem um ligeiro desvio no olho.
— Sabe que eu nunca notei?
— Também, tu sempre foi meio desligado, né? — continuo, cheio de ânimo.
— Eu? Não, até que eu…
— Que é isso, rapá, pra cima de mim? E aquele negócio lá com aquela menina?
— A Sandra?
— Ela mesma. Tá pensando que eu esqueci?
— Bom, aquilo ali, você sabe, não tive culpa. Aliás, como é que você sabe dessa história?
— Tenho uma memória de elefante, rapá.
— Nem eu me lembrava mais disso!
— Pra você ver. E não vem com essa de que não teve culpa, não!
— Bom…
— Aquilo não se faz!
— Eu sei, é que…
— E depois vem falar do estrabismo da Rebeca!
— Puxa, foi mal. Eu não sabia que isso te tocava tão de perto.
— Tocou na Rebeca, tocou numa irmã minha, rapá!

A coisa toda não dura mais que cinco minutos. Para encerrar o assunto e o burburinho dos circunstantes que nos olham apreensivos, ele inventa alguma desculpa e se despede, tenso. Mando minhas lembranças ao Rogério e me viro orgulhoso para minha mulher:

— E então, fui bem?

Mas ela não responde porque, tendo escutado a conversa e sendo mais habilidosa que eu, àquela altura já conseguiu se enfiar dentro do copo de cerveja.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: