REPÓRTER DE CAMPO

Reporter

— Muito bem, Roberto, estamos aqui com Edicleyson, o nome do jogo, que fez três gols nessa partida de hoje, inclusive um de bicicleta. E aí, Edicleyson, tava inspirado, hein? E então, você credita essa vitória ao individualismo de influência protestante, ou seja, à crença nas possibilidades do sujeito em sua luta pela superação dos limites individuais, ou tem uma abordagem mais marxista, partindo do pressuposto de que o meio atuou materialmente para a sua performance?

(assoando o nariz) Bom, Carlos, cê sabe que o futebol é uma caixinha de surpresa, né? E o professor pediu que nós caísse mais pra esquerda, mas não tanto que atingisse o extremismo maoísta e nem tão pouco que chegasse ao posicionamento social-democrata, e… De modos que a gente conseguimos encontrar os espaço vazio e… concruímos. E… Não tô acostumado a jogar por ali, e… Mas os fim justifica os meio, como diria Maquiavel no belo “O Príncipe”.

— Não deve ter sido fácil pra você encontrar os espaços vazios, não? Muitos acreditam que o vazio nem existe, é apenas uma categoria metafísica…

(cuspindo de lado) Com certeza, Carlos. Tive uma certa dificuldade, no princípio, devido que o nosso time é muito influenciado pelo platonismo tardio, né? Mas o professor repassou com nós as teoria crítica do racionalismo, e… E a gente vimos um pouco de Swift, e… Voltaire, e, com um trabaio eficaz, conseguimo anular a tática sofista do adversaro.

— Você fez um golaço. Eu tenho 40 anos de futebol e nunca vi uma coisa daquela. Como é que foi isso? Você que sempre teve uma atitude tão conservadora, tá partindo agora prum futebol mais de vanguarda? Você diria que podemos rotular o seu atual momento como de desconstrução, pra usar um termo de Derrida?

(coçando o saco) Não, não. Eu não acredito em vanguarda, né, Carlos? E acredito no trabaio séro e bem-feito. Você veje o Machado de Assis, por exemplo, ou mesmo os russo, Dostoievski e tal. Veje que ali não há uma quebra tão significativa na forma quanto no conteúdo. O importante é os três ponto. E é nisso que eu acredito e é isso que o professor pede pra nós fazer dentro de campo, e… E agora é partir pro próximo jogo e buscar os três ponto, e…

— Pra encerrar, Edi, o time tava numa espécie de pessimismo schopenhaueriano há apenas duas rodadas, você acredita que agora a tendência é haver uma evolução constante nos próximos jogos?

(cheirando o dedo que passou no sovaco) Com certeza. Mas, é como o professor diz: o futuro a Deus pertence, né? E evolução é um termo muito gasto, que cheira a determinismo darwinista, né, Carlos? Bom, a hermenêutica nunca deu título a ninguém, e… E eu acredito no trabaio, acho que o time tá coeso e é aguardar os resultado, colher os fruto do trabaio, e…

— Muito obrigado, Edicleyson. Nós conversamos com Edicleyson, o craque da partida entre o XXXIX de Pindamonhangaba e o XXVII de Jaú. Fique agora com o compacto dos melhores momentos da última apresentação do Bolshoi, com comentários do Casagrande. Boa noite.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: