SURUBA NO LEITO

Não queria falar nada, para não assustá-los, mas a verdade é que… Bem, não há uma maneira fácil de dizer isso, então… Eu, o que acontece… o que acontece é que eu preciso… Suruba, a nossa querida Suruba… ela… Suruba tá morrendo. Pronto, disse. Os médicos não lhe dão mais de vinte e quatro horas de sexo.

Morre em função de uma moléstia incurável, bastante comum no Brasil. Alguns têm preconceito contra o termo, mas eu falo: tá morrendo de preguiça.

Não que ela esteja doente. Foi vitimada pela enfermidade que atinge os autores da novela. Estes, ironicamente, estão saudáveis, sorridentes, corados, fazendo planos para o futuro. Um deles, inclusive, é parar de escrever a novela.

Os estertores da heroína começam aqui. E amanhã acontece o impensável até mesmo para os mais tarados: uma Suruba sob sete palmos de terra. Confiram.

2 Comentários

  1. Marconi Leal · ·

    Morreu, mas não perde tempo: continua sendo comida. Agora, pela terra.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: