Categoria MÚSICA

VENTO NO LITORAL — UMA LEITURA ACADÊMICA (3)

Mas a chave para solucionar o problema se encontra nos versos seguintes: Já que você não está aqui O que posso fazer É cuidar de mim Quero ser feliz ao menos, Lembra que o plano Era ficarmos bem… Já agora o eu-lírico afirma com todas as letras que a mulher não está ali. Quer dizer, […]

VENTO NO LITORAL — UMA LEITURA ACADÊMICA (2)

Continua a letra, sublime: Agora está tão longe ver a linha do horizonte me distrai Dos nossos planos é que tenho mais saudade Quando olhávamos juntos Na mesma direção Aonde está você agora Alem de aqui dentro de mim… Aqui é preciso usar de todo Saussure, Eco, Bakhtin e Paciência disponíveis para avançar na compreensão […]

VENTO NO LITORAL — UMA LEITURA ACADÊMICA (1)

O brasileiro é um povo que gosta muito de ler e que se envolve tanto com a leitura a ponto de ter reações psicossomáticas. Vejam o caso das bulas de remédio, principal modelo de leitura nacional. O sujeito não consegue tomar uma aspirina sem desenvolver todos os efeitos colaterais. Sendo já clássico o episódio do […]

BILLIE HOLIDAY

— Dá pra tirar essa mulher, hein? — Mas é a Billie Holiday! — Eu sei que é a Billie Holiday. A princípio pensei que fosse um cachorro com câncer nas cordas vocais, mas há um minuto descobri que é a Billie Holiday, porque em geral os cachorros falam inglês melhor que ela. Dá pra tirar? — Não sei […]

CAVALOS-MARINHOS

— É esperma! — Ui, que nojo! Eu disse pra gente não vir aqui, a comida é ruim, cara, o uísque é falsificado e agora essa: a pessoa corre o risco de voltar pra casa grávida. Onde? No purê ou no arroz? — Não, naquela composição… — Veja só o tipo de gente que freqüenta […]

SONHO

— Bom, e aqui desse lado… Podem se aproximarem-se, por favor. Aqui desse lado, a gente temos uma madeira-melada-com-tinta de Leonardo Davíncio, que nasceu no século V antes de Ivete Sangalo. O nome dessa tauba se chama Mona Lisa, um exemplo do que nossos ancestral fazia em sua tentativa primitiva de expressão artística. É uma […]

AQUELA MÚSICA

– Como é mesmo aquela música? – Que susto! Como é que você me acorda com um berro desse no meio da noite, Arnaldo? Quer me matar? Meu Deus! – (acendendo o abajur) Não consigo lembrar daquela música! – Que música, Arnaldo? Jesus! Olha aí, meu coração tá acelerado! – Aquela música, aquela que faz […]